Mostrando postagens com marcador Lucian Freud. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Lucian Freud. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Pequena exposição de Lucian Freud no Masp

Girl with roses, Lucian Freud
O Museu de Arte de São Paulo – MASP – traz pela primeira vez ao Brasil, a partir de 28 de junho, uma amostra da obra do pintor realista Lucian Freud. Infelizmente apenas 6 pinturas a óleo da sua gigantesca produção poderão ser vistas por aqui, pois os organizadores somente conseguiram trazer em maior número gravuras, desenhos e especialmente fotografias do artista, em número de 28. A mostra intitula-se Lucian Freud: Corpos e rostos.

Algumas das gravuras foram feitas por ele na década de 1940, como experimentação da técnica. Somente muitos anos depois, na década de 1980, Freud voltou a fazer gravuras, desta vez com a técnica da água-forte.

Entre as seis pinturas a óleo estão um autorretrato do começo de sua carreira e a tela “Girl with Roses”, de 1947-48.

As 28 fotografias foram tiradas “por David Dawson, seu assistente, amigo e fotógrafo oficial que além de registrar os movimentos do artista e seus modelos no ateliê, costumeiramente servia ele próprio de modelo para Lucian Freud”, diz o texto de divulgação do MASP.
O pintor alemão Lucian Freud
A exposição irá até o dia 13 de outubro, no primeiro andar do MASP. No dia 27 de junho, às 15h, o fotógrafo David Dawson dará uma palestra gratuita sobre seu trabalho como assistente e fotógrafo oficial de Lucian Freud no Grande Auditório do MASP.

“Pinto o que vejo, não o que querem que eu veja”, costumava dizer quando alguém lhe perguntava porque sua pintura era de um realismo incômodo.

Lucian Freud nunca abandonou a pintura figurativa, mesmo quando a moda da arte abstrata se impôs. O crítico e curador José Roberto Teixeira Coelho afirmou sobre isto: “Essa insistência chegou mesmo a causar escândalo quando, em 1976, uma exposição na Hayward Gallery de Londres organizada pelo também artista R.B.Kitaj defendeu o que este chamava “Escola de Londres”, reunindo artistas como o próprio Lucian Freud, Frank Auerback, Francis Bacon, Leon Kossof e outros que faziam do figurativismo um elemento de resistência contra o abstracionismo dominante. Abstracionismo, com Lucian Freud, só aquele acidentalmente feito por seus pincéis quando os limpava nas paredes de seu ateliê, sobrepondo mancha de tinta a mancha de tinta...”

Lucian Michael Freud nasceu em 8 de dezembro de 1922 na cidade de Berlim, na Alemanha. Filho de pais judeus,  Ernst Ludwig Freud, arquiteto, e de Lucie Brasch, ele era neto do psicanalista Sigmund Freud. Lucien emigrou com sua família para a Grã-Bretanha, após a subida dos nazistas ao poder. Logo após a II Guerra ele começou a ser conhecido como pintor, graças aos retratos de personalidades da época.


Certa vez, Lucien Freud disse ao crítico de arte Robert Hughes: “Eu jamais poderia colocar numa pintura nada do que não esteja ali, à minha frente. Isso seria uma mentira deslavada, um golpe baixo.” Isso explica sua escolha pela pintura figurativa, realista.


A obra de Lucian Freud pode ser dividida em duas fases: uma primeira, onde ele estaria próximo das composições surrealistas e em seguida ele se afirma como pintor realista quando aparecem seus primeiros retratos com uma pintura mais diluida. Já mais velho, Freud (que era neto do psicanalista Sigmund Freud) teve o reconhecimento merecido.

Usando grandes pinceladas e grossas camadas de tinta, seus retratos da fase madura são muito marcados pela visão pessoal do artista. Ele não esconde nenhum detalhe dos corpos que pinta, no sentido de "melhorá-los". Por isso seu realismo escancara os rostos e os corpos de seus modelos como ele os via. Lucian Freud costumava pintar com seus modelos posando para ele, às vezes durante dias e dias.
Os modelos nus muitas vezes têm um ar de desolação, de solidão, de melancolia, deitados ou sentados em poltronas velhas do atelier do artista, às vezes em poses que parecem estranhas. A luminosidade da cena era a da luz elétrica mesmo. Em volta dele, nas paredes, podiam ser vistas as gotas de tintas que ele lançava contra as paredes para limpar seus pinceis.

Lucian Freud morreu há dois anos, no dia 21 de julho de 2011.

Exposição 
LUCIAN FREUD: CORPOS E ROSTOS
MASP
Av. Paulista, 1578 - São Paulo
Horários: De 3ªs a domingos e feriados
das 10h às 18h
Às 5ªs: das 10h às 20h