Mostrando postagens com marcador Mariano Fortuny. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Mariano Fortuny. Mostrar todas as postagens

sábado, 30 de maio de 2015

Alhambra

Vista de parte da cidade de Granada, a partir da Alhambra
Alhambra parece um lugar onde o tempo nos captura para dentro do seu espaço.

Vista interna de um dos pátios
de um dos palácios nazaríes
Olhada de um certo ângulo, vemos ao fundo a montanha conhecida como Sierra Nevada, com neve nos cumes mesmo nesta época do ano. Isto reforça ainda mais essa sensação de estarmos em um lugar que parece suspenso no tempo-espaço.

Parece que de repente pode surgir, lá dentro, o sultão que ouvia as estórias de Sheerazade que todos nós ouvimos ou lemos em algum momento de nossas vidas. Simbad, o marujo, sempre foi uma das minhas preferidas, junto com a de Aladim e a lâmpada maravilhosa.

Pode parecer também uma ida à própria Idade Média, com suas muralhas, seus castelos, suas guerras. Pode mostrar, por outro lado, a infinita guerra santa entre cristãos e muçulmanos, se alternando como dominadores de amplas terras. Aí incluímos também os judeus, pois daqui da Alhambra se avista a judería, bairro judeu que sempre tem em cidades como Granada, Córdoba, Sevilha, Toledo.

Um dos inúmeros jardins
Interessante esta disputa milenar entre os filhos de Abraão. As três religiões têm como origem este velho patriarca que teria feito uma aliança com Deus. São irmãs, portanto. Só que não. São inimigas desde que algum membro de alguma delas se julgue representante legítimo de Deus na terra. Aí a guerra começa, e o vale-tudo: assassinatos, sequestros, estupros, torturas, massacres de povos, batalhas, guerras, terrorismo. Em nome de Deus.

Mas a Alhambra de Granada podem ser também a síntese preciosa da mais bela cultura árabe e do quanto este povo deixou de riqueza para o mundo, em todos os sentidos, na ciência, na música, na poesia, na arquitetura, na culinária, no artesanato, na geometria, na filosofia... São tantos os campos em que os povos árabes se destacaram que fica muito difícil imaginar nossa cultura ocidental sem sua influência e sua rica contribuição.

Detalhe interno
Mas caminhando por entre tanta beleza dentro dos palácios nazaríes, que parecem jóias preciosas, não posso deixar de pensar também em todo o sangue derramado aqui dentro nestas eternas disputas pelo poder material e espiritual. Mas penso também que podem ter havido ardentes casos de amor, e que de tão apaixonado algum sultão resolveu contratar o melhor artesão do reino para enfeitar estes salões e fazer tetos para estas salas e quartos como não existem na face da terra... São indescritíveis! Não há palavras para descrever a beleza da Alhambra. Qualquer coisa que eu continuar dizendo, será muito pobre.

Por isso vou falar da minha praia. Vou falar do pintor espanhol Joaquín Sorolla que esteve aqui exatamente no ponto onde eu me encontrei, num dos jardins internos. Fiquei lá no mesmo lugar que ele tentando olhar o que ele via. Deste ponto exato, ele fez uma pintura.

Joaquín Sorolla nasceu em Valencia, em 1863 e faleceu em Madrid, em 1923. A primeira vez que ele visitou a Alhambra foi em 1909. Ele também, como qualquer pessoa, se encantou com estes lugares, alguns construídos com mármore e gesso. Adorou os jardins, as construções, a luz deste lugar. Tanto que viajou para lá mais duas vezes, em 1910 e em 1917.
Pintura de Joaquín Sorolla do pátio interno de um dos palácios

A partir destas visitas, Sorolla pintou repetidamente diversos espaços e jardins, como a Torre dos Sete Picos, o pátio de Arrayanes, o jardim de Daraxa, entre outros. Quando chegar em São Paulo irei colocar aqui algumas destas imagens, o que não consigo fazer do meu tablet.

O pátio que vi, com céu nublado e chuvoso
Pois bem, em 2012 foi feita uma exposição no Museu de Belas Artes de Granada, que conheci e que fica dentro da Alhambra, das obras de Sorolla sobre este lugar. A mostra teve como título "Jardins de luz".

Foram cerca de 50 obras de Joaquín Sorolla, o que dá pra ter uma ideia de quanto este lugar o encantou. Alhambra é mesmo lugar de encantamento. Dizem que Sorolla ficou tão fascinado com a beleza dos jardins islâmicos de Alhambra, que resolveu recriá-los um pouco nos jardins de sua casa, onde estive semana passada.

Mas aqui em Granada morou o também pintor espanhol, considerado um dos melhores do século XIX, Mariano Fortuny. Ele nasceu em Reus, na Catalunia, em 1838, e morreu em Roma em 1874.

Fortuny também fez diversos quadros sobre a Alhambra e sobre Granada. Ele também foi um dos gênios que marcaram toda uma geração de excelentes pintores. Suas pinceladas livres buscavam a luz e seus movimentos. Ele também deve ter estudado atentamente as belas cenas que os jardins, pátios e construções da Alhambra inspiram.














Dentro do palácio onde hoje está o Museu de Belas Artes de Granada




quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

O grande Giovanni Boldini

Autorretrato, Giovani Boldin, óleo sobre tela, 1892
Assim como seu contemporâneo John Singer Sargent, (leia aqui), Giovanni Boldini é um pintor retratista de renome internacional, trabalhando principalmente em Paris e Londres. No início do século XX, é um dos retratistas mais proeminentes em Paris. Ele tem sido uma de minhas referências na pintura e por isso apresento aqui uma breve biografia deste grande pintor.

Giovanni Boldini nasceu em Ferrara, Itália, em 31 de dezembro de 1842. Foi o oitavo dos 13 filhos de Antonio Boldini e Benvenuta Caleffi. Seu pai era pintor acadêmico e restaurador. Diz-se que possuía grande domínio técnico e fez boas cópias de pinturas de Rafael e de outros pintores venezianos. Desde muito cedo, Giovanni recebeu de seu pai suas primeiras lições de desenho.

A partir de 1858, em sua cidade natal, tornou-se aluno do curso de pintura de Girolamo Domenichini (1813-1891) que, junto com Antonio Boldini foi o autor dos afrescos do Teatro Academico local. Boldini também teve a oportunidade de conhecer de perto a obra dos grandes pintores ferrarenses do período da arte italiana chamado de Quattrocento, como Dosso Dossi e Parmigianino.


Canal de Veneza com gôndola,
óleo sobre tela, 1899
Sua primeira obra importante foi “O quintal da casa paterna”, um óleo terminado em 1855. No final da década de 1850, Boldini já havia concluído um “Autorretrato com 16 anos” e retratos, como o de seu irmão “Francesco”, e de “Maria Angelini” e “Vittore Carletti”.

Em 1862, Giovanni Boldini se inscreveu na Academia de Belas Artes de Florença, tendo estudado com Stefano Ussi (1822 - 1901) e Enrico Pollastrini (1817 - 1876). Nesse período, junto com outros artistas florentinos, começou a frequentar o Café Michelangelo (onde também se reuniram os pintores do movimento Il Macchiaioli - leia mais aqui). Destes, conheceu Giovanni Fattori, Odoardo Borrani, Telemaco Signorini, Cristiano Banti, Montemurlo e Michele Gordigiani. Nesse período em Florença, Boldini será hóspede na casa da família Falconer. Numa casa de campo pertencente a esta família, ele pinta com têmpera a seco, entre 1867 e 1870, as paredes de uma pequena sala. A viúva de Boldini comprará esta casa em 1938; hoje ela abriga uma boa quantidade das obras do pintor.

Junto com Cristiano Bonti, Boldini vai a Nápoles em 1866. Fará vários retratos de seu amigo. No ano seguinte, junto com a família Falconer faz uma viagem à França e em Montercalo ele pinta o quadro intitulado “General espanhol”, que ele considera uma das melhores obras de sua juventude. Em Paris, acontecia a Exposição Universal e nosso pintor italiano conhece os franceses Edgard Degas (leia aqui), Alfredo Sisley e Édouard Manet.


Retrato de Marthe Bibesco,
Boldini, óleo sobre tela, 1911
 
Em 1870, convidado por William Cornwallis-West, que havia conhecido em Florença, passa uma temporada em Londres. O amigo lhe põe a disposição um estúdio no centro da cidade, frequentado pela alta sociedade. No final do ano, volta para Florença e, no ano seguinte, se muda para Paris. La conhece a modelo Berthe, com quem passa a morar. Um dos maiores marchands de Paris, Goupil, o contrata como pintor. Para ele já trabalhavam Mariano Fortuny (leia aqui) e Ernest Meissonier, além de dois outros italianos, Giuseppe Palizzi e Giuseppe De Nittis. Boldini pinta uma série de quadros.

Em 1874, expõe com muito êxito no Salão de Paris seu quadro “As lavadeiras”. Termina seu caso com Berthe e começa a se relacionar com a condessa Gabrielle de Rasty, de quem expõe um retrato no Salão de 1875. Em 1874 ainda, sua mãe morre e ele volta brevemente à Ferrara. Em 1876, faz uma viagem à Alemanha aonde conhece e faz um retrato do grande pintor alemão Adolph von Menzel (leia mais sobre ele aqui). Passando pela Holanda, viu de perto as obras de Frans Hals (mais aqui).


Nessa fase de sua vida, Boldini já era muito solicitado como pintor de retratos. Em 1886, faz um retrato do compositor italiano Giuseppe Verdi, em óleo sobre tela. Dará esse retrato pessoalmente a Verdi sete anos depois em Milão. Mas, ainda insatisfeito com o resultado, faz um segundo retrato de Verdi em pastel, em apenas 5 horas. Este segundo, guardou-o consigo e o apresentou na Exposição Universal de Paris em 1889 e em 1897 participou com ele da I Bienal de Veneza. Em 1918, doou este trabalho à Galeria de Arte Moderna de Roma.


Retrato de Giuseppe Verdi,
Boldini, pastel sobre papel, 1886
Resolveu aumentar o tamanho de suas telas, por sugestão do pintor sueco Anders Zorn, a quem tinha conhecido em 1890 (leia sobre Zorn aqui).

Na primavera de 1900 ficou hospedado na casa da família Florio, em Palermo, Itália, para pintar o retrato da senhora Donna Franca. Esta pintura não agradou a seu marido, por causa do amplo decote e das pernas descobertas um pouco abaixo dos joelhos. Boldini adaptou-o ao gosto do marido. Esse quadro foi vendido em 1928 pela enorme soma de um milhão de liras. Anos depois foi roubado pelos ocupantes nazistas em Paris e levado para a Alemanha, onde sofreu sérios danos. Restauradores foram obrigados a cortar a parte inferior do quadro, porque estava totalmente destruída.

Quando começou a I Guerra Mundial, ele se muda para Nice - na Riviera francesa - junto com sua modelo Lina. Permanece lá até 1918, retornando a Paris. Já enfermo e com a visão debilitada, casa-se com Emilia Cardona em 29 de outubro de 1929, mas morreu dois anos depois, no dia 11 de janeiro de 1931. Tinha 89 anos de idade. Seus restos mortais foram trasladados à Itália, onde descansam junto com os de sua família, no cemitério de Ferrara.


Retrato de Adolph von Menzel, Boldini, óleo sobre tela
Após o banho, Boldini, óleo sobre tela
Rosa no vaso, Boldini, óleo sobre tela
Portrait of the Countess de Martel de Janville, Boldini, óleo sobre tela, 1894
Madame Rejane e seu cão, Boldini, óleo sobre tela, 1885

Homem na igreja, Boldini, aquarela, 1900
Retrato de um jovem, Boldini, óleo sobre tela
Retrato do artista Ernest Ange Duez, Boldini, óleo sobre tela
Ilha de San Giorgio em Veneza, Boldini, óleo sobre tela, 1872
John Lewis Brown com esposa e filha, Boldini, óleo sobre tela, 1890
Atravessando a rua, Boldini, óleo sobre tela, 1873-75

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Os Macchiaioli - realismo impressionista na Itália

MARIANO FORTUNY: Curral de touros, 1866

A Fundação Mapfre abriu em Madrid, Espanha, uma exposição, no mês de setembro, que leva àquela cidade cerca de 100 obras dos pintores italianos conhecidos como Il Macchiaioli. Os Macchiaioli foram artistas rebeldes que viveram na Florença do século XIX, especificamente por volta de 1855, todos de origem toscana, mas também haviam aqueles que vinham de Veneza e Nápoles.


GIOVANNI BOLDINI: Retrato de Diego Martelli, 1865 
Macchiaioli significa exatamente “manchista”, uma designação de cunho pejorativo que foi usado para designar o que eram esses pintores rebeldes à academia. O termo foi cunhado em 1862 por um jornalista da “Gazzetta del Popolo”, com o sentido de zombar desses artistas anti-acadêmicos da pintura italiana. Depois eles mesmos adotaram esse título e o utilizavam para designar-se. Estes artistas representaram uma renovação na pintura italiana, pois em sua poética realista romperam com o neoclassicismo e com o romantismo que dominavam as academias e ateliês italianos. Os Macchiaioli são considerados, na Itália, os iniciadores da pintura moderna italiana.


O Museu d’Orsay, de Paris, fez uma primeira mostra desses artistas italianos, contemporâneos dos impressionistas franceses. E a partir do mês de outubro indo até janeiro de 2014, esta mostra se encontra na cidade de Madrid, Espanha, patrocinada pela Fundação Mapfre.

ODOARDO BORRANI: Carroça vermelha em Castiglioncello, 1865-66


Foi no Caffè Michelangelo em Florença que um grupo de pintores, reunidos em torno do crítico Diego Martelli, deu início ao movimento. A preocupação desses artistas era com a renovação da pintura italiana. Eles criticavam fortemente o purismo acadêmico dos pintores neoclássicos e românticos, e defendiam que a imagem do real deveria ser apresentada como um contraste de cores, de sombra e de luz. Por ironia do destino, o Caffè Michelangelo ficava a poucos metros da Academia Florentina de Belas Artes, que foi recebendo pouco a pouco - da parte dos jovens macchiaioli - apelidos como “quartel de inválidos”, “semeador de mediocridade”, “cemitério da arte”, etc.


FEDERICO ZANDOMENEGHI:
Retrato de Diego Martelli com gorro vermelho, 1879
Nesse Café - diz o catálogo da exposição de Madrid - se reuniam os mais “turbulentos da cidade. Os realistas irrompiam com ímpeto desde a Via de Pucci - onde haviam comido pouco e mal na taberna de Gigi Porco - e entravam ruidosamente na Via Larga em direção ao Caffè Michelangelo. Para seus estômagos, acostumados à lenta e pesada digestão de burro cozido, e para seus nervos à flor da pele, até o café se tornava uma bebida insípida. Em agitação coletiva, misturavam rum ao café, bebida que tinha virado moda entre jovens pobres. Os alunos da Academia atravessavam a rua para não ter que cruzar com eles”.

Os jovens frequentadores do Café não só conheciam as ideias que fermentavam naquela Itália em mudança, como participavam ativamente de todo o processo, muitos deles com sacrifícios pessoais. E à mudança que eles reclamavam na estrutura da sociedade era a mudança que queriam implementar no campo da arte. Alguns deles participaram como voluntários em 1848 na Batalha de Curtatone, por exemplo. E Telêmaco Signorini, um destes pintores rebeldes, se alistou como voluntário na artilharia, em 1859. Mas em 1862, enquanto seguia a Garibaldi na tomada de Aspromonte, seu pai faleceu. Signorini escreveu em seu diário: “Aspromonte. Morre meu pai de câncer, precisamente quando eu pensava em ir para Gênova com Garibaldi. Deixo o ateliê e a casa com minha mãe e meu irmão de 11 anos. Volto a ter um ateliê na Via Salvestrina e casa fora da Porta da Cruz, na Torre Guelfa. Faço um curso em Arno com Lega, Langlade e Madier. Fundamos a Escola de Pergentina e pinto o quadro ‘Ditosas são as galinhas que não vão ao colégio’”.

TELÊMACO SIGNORINI: La sirga, 1864


Assim como ele, diversos outros foram voluntários na artilharia e participaram ativamente das campanhas de unificação da Itália. Mas passadas as batalhas e uma vez a Itália sendo unificada, esses pintores desejavam agora representar a nova Itália, como um país que se descobre a si mesmo, sua própria força, sua tradição.


SILVESTRO LEGA:
Cantando uma canção, 1867
Com a unificação da Itália como um país, o que ocorreu no século XIX, foi feita uma Exposição Nacional em Florença. Nesse período, ficou clara a divisão entre a escola acadêmica e os macchiaioli. A polêmica se estabeleceu entre eles, não só do ponto de vista artístico, mas que abrangia toda uma visão cultural e política. Para os bravos macchiaioli, não podia haver diferença entre pintar quadros e derramar sangue nos campos de batalha. Esses jovens pintores sonhavam com uma nova Itália.


A palavra “tradição” - diz a apresentação do catálogo da exposição de Madrid - podia soar como uma blasfêmia para os ouvidos dos macchiaioli. Eles consideravam que a juventude de toda a Europa deveria erradicar todos os velhos sistemas políticos, educacionais e militares, para substitui-los através da construção e do advento de uma nova era. Giuseppe Mazzini, um dos líderes e pensadores desses movimentos de rebeldia que inspiravam os macchiaioli, chegou a criar uma organização chamada “Jovem Europa”, à qual não podiam pertencer pessoas com mais de 30 anos de idade. Essa organização, mais tarde, aglutinou em torno de si as melhores inteligências democráticas, que intentavam destruir o status quo, não somente do ponto de vista de uma revolução nacional, mas sobretudo internacional. Claro que os conservadores de todas as classes detestavam essas ideias e esse líder dos jovens italianos. (Giuseppe Mazzini foi um revolucionário e patriota italiano, fervoroso republicano e combatente pela unificação da Itália, assim como Giuseppe Garibaldi.)


GIUSEPPE ABBATI: Interior do claustro de Santa Cruz em Florença, 1861-62
Mas os macchiaioli viveram e morreram na pobreza. Mantendo-se coerentes por toda a vida, eles sempre se mantiveram críticos em relação ao mundo.


Capítulo à parte merece a velha disputa sobre a relação entre eles e os impressionistas franceses, destaca o catálogo. A verdade é que eles mantiveram uma estreita, fecunda e contínua relação. O texto da exposição madrilenha complementa: “Foi talvez o destino diferente de seus itinerários que fez a diferença real entre os impressionistas franceses e os macchiaioli”. Por parte da França, um reconhecimento grande de seus artistas; da parte da Itália, o esquecimento dos macchiaioli. Enquanto esta escola foi se extinguindo, no Grand Café du Boulevard des Capucines - outro café! - em Paris, os irmãos Lumière já faziam as primeiras experiências com o cinema. Vale salientar que a pintura dos Macchiaioli teve bastante influência em cineastas italianos, como Luccino Visconti e Mauro Bolognini, que encontraram nela uma inspiração iconográfica e uma linguagem especial da imagem.


GIOVANNI FATTORI: Soldados franceses de 1859, 1859
GIOVANNI BOLDINI: Autorretrato, 1892
Participavam desse grupo dos Macchiaioli: Serafino di Tivoli, Eugenio Cecconi, Edward Borrani, Sernesi Raphael, Nicholas Cannicci, Egisto Ferroni, Adriano Cecioni, Giuseppe Abbati, Eugenio Prati, Veronese Vincenzo Cabianca, Domenico Caligo, Giovanni Fattori, Silvestro Lega e Telêmaco Signorini. Em seguida, juntaram-se nesta direção os pintores John Bartolena, Leonetto Cappiello, Vittorio Matteo Corcos, Michele Paris, Oscar Ghiglia, Francesco Gioli, Luigi Gioli, Ulvi Liege, Guglielmo Micheli, Alfredo Müller, Plinio Nomellini, Simi Filadelfo, Adolfo Tommasi, Angiolo Tommasi, Ludovico Tommasi, Lorenzo Viani, Llewelyn Lloyd e Raphael Gambogi.


Além deles, Giovanni Boldini. Em 1862, retratista já conhecido, ele se instala em Florença para completar seus estudos na Academia. Mas ele logo entra em contato com os macchiaioli e também se junta ao grupo em torno do crítico Diego Martelli, que contribuiu para popularizar na Itália os princípios do impressionismo francês.


A mostra intitulada “Os Macchiaioli - realismo impressionista na Itália”, está sendo co-produzida pela Fundação Mapfre e pelos Museus parisienses d’Orsay e de L’Orangerie. As 100 obras são procedentes de coleções públicas e particulares italianas. É a primeira exposição realizada na Espanha em torno do movimento dos Macchiaioli, que também influenciaram a pintura espanhola do final do século XIX. Entre eles, o pintor espanhol Mariano Fortuny, que terá algumas de suas obras nesta exposição.

MARIANO FORTUNY: Velho desnudo ao sol, 1863

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

A Beleza aprisionada em telas

Mariano Fortuny: Nu na praia, óleo sobre tela, 13 x 19cm, 1874
O Museu do Prado de Madrid, na Espanha, está apresentando mais uma grande exposição de pinturas intitulada “La belleza encerrada. De Fra Angelico a Fortuny”. As 281 telas, em sua maioria em pequeno formato, mostram obras de artistas do século XIV ao XIX, e foram escolhidas entre cerca de mil outras que pertencem ao acervo do Museu. A mostra teve início no final de maio e irá até 10 de novembro de 2013.

El Greco:
Velho cavalheiro, óleo s/ tela, 1587-1600
As obras estão espalhadas em 17 salas ao todo. O objetivo desta exposição também é mostrar a história da técnica de pintura em pequenos formatos, que vem desde a Idade Média, começando a partir dos afrescos, mas logo chegando às pinturas em óleo sobre madeira, sobre tela, etc.

O diretor do Museu Miguel Zugaza, idealizador da exposição, comentou ao jornal espanhol El País: “Bendita seja a crise (econômica) que nos permite agora nos concentrar no tesouro que possuímos no Museu do Prado”. Em tempos de crise capitalista, os administradores dos museus se vêem obrigados a reelaborar suas políticas de exposições temporais, tirando do fundo de suas salas as obras mestras de que dispõem. Até mesmo o catálogo da mostra foi impresso em formato reduzido, para reduzir os custos.

Essas 281 obras possuem como denominador comum além do formato menor, características especiais como qualidade técnica, refinamento, maestria. Como são telas de tamanho pequeno, há detalhes escondidos que fogem à observação de quem não se aproximar bastante dos quadros. Muitas deles ficavam guardados em salas internas, longe do olhar do público, ou estavam em outros museus, cedendo seu lugar no Prado para obras mais famosas. A alta qualidade do acervo e das coleções do Museu do Prado, enriquecidas ao longo de séculos por diversos reis espanhois, faz com que a coleção de pinturas do museu espanhol chegue a superar a coleção do Museu do Louvre, de Paris.

Francisco Domingo Marqués: Autorretrato
óleo s/ madeira,1865.jpg
Os pintores presentes nesta exposição do Prado são em sua maioria espanhois, mas também tem franceses, italianos e pintores dos Países Baixos. Segundo a organização do Museu, o público pode ver a passagem do tempo através das  telas, unindo o passado ao presente, podendo fazer relações entre o estilo dos diversos pintores de diversos países, assim como a influência externa em suas obras ou a reafirmação do seu modo de vida e cultura local. Os pintores do norte europeu, por exemplo, podem se aproximar daqueles do sul a partir de uma mesma iconografia ou de um mesmo tema. Por outro lado, os da Idade Média e os do Renascimento tinham suas diferenças, mas prepararam o terreno - com o Barroco e depois com o Rococó - para a arte realista do século XIX que, com Mariano Fortuny na Espanha, além de outros, trouxe novos caminhos para a arte pictórica.

Para os privilegiados que possam ver de perto essas obras-primas - e para nós que estamos tão longe de Madrid - aqui vai uma pequena lista dos artistas presentes que, por si só, já dá uma ideia da importância desta exposição do Prado:

Fra Angelico, Andrea Mantegna, Hieronymus Bosch, Albert Dürer, Andrea del Sarto, Rafael, Guido Reni, Annibale Carracci, Tiziano, Veronese, Jacopo Bassano, Leandro Bassano, Jan Brueghel o Velho, El Greco, Antonio Moro, Diego Velázquez, Ludovico Carracci, Correggio, Peter Paul Rubens, Francisco de Zurbarán, Jan Brueghel o Jovem, Nicolas Poussin, Bartolomeu Estevan Murillo, Jean-Antoine Watteau, Anton Raphael Mengs, Giambattista Tiepolo, Vicente López Portaña (parente do atual pintor realista Vicente López), Francisco de Goya, Mariano Fortuny, entre outros.

Abaixo, mais alguns dos quadros que estão na exposição:

Donato Creti: Nu masculino, óleo s/ papel, 1710-1720
Federico Madrazo y Kuntz: Louise Amour M. de la Roche-Fontenilles, 1871, óleo
Diego Velázquez: Francisco Pacheco, 1620, óleo s/ tela
Ticiano: Cristo com a cruz, 1565, óleo s/ tela
Mariano Fortuny: Marroquinos, 1872-74, óleo
Leonardo Alenza y Nieto:
O bêbado, séc. XIX, óleo s/ tela
Francisco Domingo Marqués: Gato, séc. XIX, óleo
Francisco de Goya: O abanil ferido, 1786, óleo s/ tela